segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Considerações sobre o tempo


O tempo. Sim, o tempo. Interesses múltiplos de vida. Condições às vezes adversas, lutas, felicidade e alegrias momentâneas, procura de condições seguras e estáveis, do tão falado amor – palavra tão batida...

Ah! Esse tal de amor parece ser mesmo difícil e fácil. Como descrevê-lo? Uma conjunção de fatores positivos e também negativos.

Volta o tempo. A espera, a demora, a angústia, a ansiedade, a passagem rápida (ou não) do tempo, os dissabores, as alegrias da vida material e a procura do espiritualismo. Com suas dúvidas decorrentes.

O respeito, a importância do bem-querer, as respostas que nem sempre atendem ao esperado. Ofertas não bem interpretadas, a boa (e a má) vontade.

Volta o tempo. Passa, passa, passa e continua a passar como em queda vertiginosa. Um corpo caindo em conformidade com as leis estruturais.

O tempo e a mente. A mente com a juventude não perene, mas sempre bela. Juventude que se esvai com o tempo. E o tempo que consolida uma juventude por uma vida.

Eternidade, o que será? O tempo futuro dirá. Marchas e contramarchas. Nem sempre foi assim. Mas com o tempo começaram a ocorrer. Fenômenos vitais, atrações (ou não), impressões também. Fases repentinas.

O tempo volta. Impulsos novamente. O tempo e a relação com a energia. Energia positiva em busca do prazer, da felicidade. A seqüência natural da vida e suas relações. O tempo e as interferências devidas (ou não) e os contratempos. As expectativas em sociedade. Sim, a família! Quem a conduz realmente? Seria o destino?

O tempo, novamente o tempo, o poder incontrolável do tempo. As respostas íntimas dos que nos cercam. As amizades (?), difíceis relacionamentos que se fazem – e se desmancham - com o tempo. A pressa e sua relação com o tempo. As idéias, os pensamentos e os relacionamentos, poucos ou quase nulos, mais uma vez controlados pelo tempo.

A vida e o tempo. Como seria o tempo atual se o tempo passado tivesse sido alterado? A idade, a consciência, o respeito, a amizade, o entendimento, seriam condicionantes para a felicidade? O que seria a felicidade? Ela existe ou não passa de condições momentâneas de sucesso, material ou não?

O tempo. Mais uma vez sua marcação. Algumas pessoas só conhecerão o tempo com a própria passagem do tempo, quando passarão a respeitá-lo. A incógnita maior – as encruzilhadas da vida, as dúvidas, as incertezas, tudo ocorre com a vivência do tempo. Mais ele continua a correr célere. Bem mais ágil, ele voa, viaja, atravessa fronteiras inimagináveis, que às vezes nem mesmo ele poderia permitir.

O tempo e a família. Mas uma vez ele ganha a batalha, no tempo em que a família se finda, se transforma e ele permanece incólume, sem alterações. A rispidez das palavras e o tempo. Os mal-entendidos ao longo do tempo. A procura de tempo para ser feliz. As ilusões da vida. Novamente emergem as glórias, os sucessos e os fracassos, que de nada valem em confronto com o tempo.

O entendimento chega ou falta com o tempo. E ele continua a passar, como o vento, as nuvens, a imaginação, as fantasias e os sonhos. Os sonhos e o tempo.

O tempo e os desenganos. Sorrisos com o tempo e do tempo. Chorar ou sorrir. A seriedade e o tempo. Sim, a seriedade e o tempo. Fator de influência positiva para a vida. Positiva de que modo? Só o tempo poderá dizer. O que vale a pena fazer com o tempo? As negativas que o tempo nos apresenta – e as positivas também!

As pessoas e o tempo. Os registros do tempo. O tempo e a história. Um diário sobre o tempo? Não, simples observações sobre ele – o mais importante fator material abstrato (?) que passo a notar.

As variantes do tempo e das pessoas. As amizades (?) mais uma vez. O afeto jogado contra o tempo e devolvido pelo próprio tempo. Ingratidão? O tempo de reconhecer limitações a tempo. O tempo de aprender mais sobre a vida. A firmeza que o tempo nos dá quando nos auxilia em nossa energia. E ao mesmo tempo tira em algum tempo nossa parcela material de vida. As coleções de venturas e desventuras durante todo o tempo. O caminho difícil ao longo desse tempo. As respostas - ou a falta delas - com o tempo. O interesse voltado, o permitido, o proibido, tudo muda com o tempo. Labirintos, voltas, curvas, indecisões, dúvidas, tudo isso nos acompanha como o próprio tempo. A franqueza nas idéias, as convicções, os convencimentos pessoais interpessoais.

O percurso da vida e do tempo... A impossível volta no tempo. Viagem sem destino (?), mas por ele orientada e marcada. Tempo para viver, tempo para morrer, para sorrir e para chorar. Tempo para lembrar e tempo para esquecer.

Para que tanto tempo? Novamente os contratempos. As trilhas da vida e os caminhos guiados ou marcados pelo tempo. O tempo na eternidade. Como será? Perguntas e o silêncio. Ninguém me fala nada. Só o tempo me responderá!!!

Ofertas generosas, boas intenções, vida, relações, tudo perdido no tempo? Os desencontros do tempo. Companhia e amizade, juntas no tempo. Ajuda? Nem sempre... As traições e trapaças que o tempo nos oferece. Sobras, escuridão, silêncio... Uma voz que ecoa no tempo – e que soa em outro tempo. Um sentido de busca e uma perda de tempo. A sinceridade, que atravessa a vida e consegue ganhar do próprio tempo. E a verdade? Onde fica esta condicionante? É sempre consolidada pelo tempo. Mas a sinceridade pode mudar, e daí???

Culpa do tempo? De uma vida no tempo ou de uma falta de tempo? Palavras, conexões, sentenças, idéias, juízo, jogados no tempo. Quem terá tempo para perder com isso tudo? As palavras se perdem também com o tempo. Algumas delas – mais quais? – permanecerão mais tempo? As interrogações que a vida nos apresenta e as respostas que oferecemos (ou não), de acordo com cada tempo. Condições que o tempo nos apresenta. O tempo e o clima. Sim! A importância do clima de nossos espíritos. A verdade mais uma vez retorna, a firmeza nos ampara.

A companhia ou a solidão no tempo? O homem ao longo do tempo e o aprendizado com o passar da vida.
Mais indecisões. Passos certos ou errados? Pensamentos coerentes? Ou não? Erros e acertos no tempo. Tudo evidencia bem a fragilidade de nosso corpo, de nossa vida, de nossa existência, de nossa pouca sabedoria, de nossa insignificância diante da Energia Suprema, que controla o tempo.

Que tempo nos resta? Que tempo me resta? Não sei. Novamente só o tempo me responderá. Mais vida. Vida? Será que a continuaremos no outro lado? Só o tempo dirá. A corrida, a falta (e a sobra) de tempo. E mais perguntas e respostas virão certamente. E com elas novas perguntas e novas dúvidas. Isso mesmo!

O tempo passa e nós continuamos imperfeitos. Eu sou humano!!! Tudo tem uma inspiração e também um motivo. O entendimento virá?

Claro, com o tempo...


Veja também nas redes sociais:


Feliz Natal e um Ano Novo com muita saúde e realizações!

A cada ano mais a vida está agitada, temos mais pressa, não sabemos se é impressão, mas o fato é que mais um ano chegou ao seu final. É no momento em que avaliamos nossa movimentação em 2015 é hora de renovarmos as esperanças, nossos sonhos e projetos, mesmos em tempos de dificuldades. É um momento de reflexão para avaliar nossas vidas e como dela participamos e assim modificar para melhor o Ano Novo que está prestes a chegar. Para nós, cristãos, um marco significativo daquele que veio ao mundo para nos salvar, Jesus Cristo, e que nos deixou todas as marcas, indicações e ensinamentos para o caminho do Bem. Tempo de agradecer a Deus por tudo que vivemos!
Agradeçamos a Deus por tudo de bom que nos ocorreu e, principalmente, pelo presente da Vida. Desejo sinceramente a todos os meus amigos e amigas, virtuais ou não, parentes, colegas músicos, um Feliz Natal e que em 2016 possamos continuar a nossa amizade. Gostaria que transmitir para todos vocês, em algumas palavras, meu sentimento nesta oportunidade.
O período natalino assinala também o tempo de transformar os momentos bons em novas energias, entusiasmo e principalmente esperança em todos os nossos sonhos! Fazer com que os momentos ruins de 2015 não se repitam no Ano Novo. E procurar o aprendizado que ficou com os momentos difíceis em peças fundamentais que no futuro nos ajudem a ter mais instantes felizes e de prosperidade.
Com a tecnologia é possível expressar nossos sentimentos de forma a alcançar boa parte de nossos amigos. Gostaria de me dirigir a cada um de forma particular, mas é praticamente impossível.
Algumas sugestões que escolhi para todos nós!
Aproveite o seu melhor presente que é a vida! Dessa forma, não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo. Não deixe de fazer o bem sem olhar a quem. Não deixe de ter pessoas a seu lado. Não deixe de fazer um bem hoje para fazer amanhã, porque o dia seguinte é incerto para todos nós. Não deixe nenhuma mágoa afetar suas mentes que deverá permanecer limpa e serena. Dentro de nossa vida atual, procure apagar de sua mente tudo aquilo que merece ser esquecido. Festeje pelo bem que foi capaz de fazer e pelo mal que foi capaz de superar! Festeje o prazer de cada conquista e o aprendizado de cada derrota! Festeje por estar presente! Festeje a esperança no Ano Novo que se iniciará em breve! Festeje a vida!

Em dezembro de 2015

domingo, 20 de dezembro de 2015

Tecnologia musical e sua velocidade nos avanços pelo tempo!

Mas uma vez constatei, ao longo destes últimos 20 e tantos anos de minha vida, que o avanço das tecnologias é impressionante! Desta vez foi com relação à Música e gravações. Vou contar um pouco de minha experiência para vocês. A princípio, para os que não me conhecem mais de perto, digo que há diferentes mundos que penetrei, por curiosidade, afinidade, e todos eles foram muito empolgantes em minha vida. E logo cedo sabia que nunca poderia viajar por tantos lugares assim, digamos, simultaneamente. A vida moderna proporciona múltiplas oportunidades e recebemos milhões de informações dos mais variados tipos. E nosso tempo é limitado, eis a questão.

As antigas gravações analógicas 

Há 20 e poucos anos as gravações eram analógicas e a tecnologia que usávamos era por mim conhecida muito bem. Trabalhei em mesas de áudio na Televisão Educativa do Ceará (antiga TVE), como sonoplasta também. Antes disso, no Conjunto Musical Big Brasa (Anos 60/70) eu consegui gravar uma música tocando todos os instrumentos, mas de que maneira? Com dois gravadores simples eu gravava a bateria, depois reproduzia a gravação em um amplificador e grava mais um instrumento junto (tudo em um mesmo canal é claro). E assim sucessivamente. Com as perdas da qualidade em cada gravação a música gravada (um tema que não lembro mais) ficou legal, uma “conquista técnica” dentro das limitações impostas pelo tempo, a falta de melhores condições etc.

Muito bem. E o tempo foi passando, tive o envolvimento com outras tecnologias, dentre elas a informática e, além do trabalho, que me envolvia muito em leituras, análises e textos, outros entretenimentos surgiram, como empolgação com alguns esportes de aventuras, fotografia e filmagem, além dos registros diversos em textos. A cada um minha dedicação possível. E o tempo foi passando, célere.

O mundo digital

Nos últimos dois anos (2014 e 2015) me interessei novamente pela música, no sentido de apenas registrar algumas simples composições que fiz nos anos 60/70. Quis também voltar à guitarra para ver como me sairia com as improvisações que eram para mim muito fáceis no tempo do Conjunto Big Brasa. Nas redes sociais comecei a observar a turma jovem, com suas técnicas modernas e equipamentos mais modernos ainda. E me deparei com uma situação totalmente diferente: o mundo digital, com acessórios novos, mesas de som modernas, placas de áudio digitais e computadores, tudo isso possibilitando a criação de estúdios caseiros. Muitos vídeos explicativos na internet estão me ajudando neste momento. Vamos lidar agora com sintetizadores poderosos, outros teclados que possuem centenas de recursos, pedais de efeitos os mais diversos e as gravações digitais. 

A adaptação

Certamente sei que vou me adaptar novamente, mas sinto claramente que há uma diferença básica entre o meio musical de ontem e o de hoje em dia. Explico melhor, um tecladista dos Anos 60/70 tinha que ter muita habilidade e saber aproveitar os parcos recursos tecnológicos que os instrumentos ofereciam. Hoje em dia o cara além de ser um bom músico tem que ter as habilidades técnicas para operar os instrumentos no que diz respeito a seus múltiplos recursos. Tudo no mundo digital. Publiquei algumas fotografias de nosso simples estúdio, que, com a ajuda de amigos, possibilitará algumas gravações neste Ano Novo de 2016 que se aproxima.

Os sonhos e a realidade

Mas uma vez estou diante de uma proposta que me apareceu durante a vida inteira e que costumo transmitir aos mais novos. Não basta sonhar! É preciso transformar nossos sonhos em realidade. E modestamente tentarei me aproximar o quanto possível da tecnologia existente, mesmo sabendo a distância que dela estou para assim poder gravar algumas músicas como registros musicais. Sem aspirações profissionais vamos tentar transformar alguns sonhos em realidade.



quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

2015 – um ano que praticamente o Brasil parou!

2015 – um ano que praticamente o Brasil parou. Lamentavelmente esta é uma verdade incontestável. E a conturbada cena nacional deverá ter reflexos graves para os anos futuros. Não há perspectivas de melhoras em curto prazo. A população inteira está desacreditada e parece que perdeu a força de mobilização e a própria fé. Há muito que se comentar sobre o assunto tendo em vista a importância do tema. Vejamos apenas alguns aspectos:

SEGURANÇA

Em se tratando de criminalidade o país teve os índices aumentados. A sensação de insegurança é uma constante em quase todos os locais do País. Fortaleza e o Estado do Ceará encontram-se nos primeiros lugares, infelizmente. Os criminosos cada vez mais bem armados e a população mais indefesa, com o direito limitado pelo Estatuto do Desarmamento de adquirir armas de defesa para suas residências. Assim, com as deficiências de policiamento os crimes se alastram. Dezenas de explosões a caixas de bancos no interior do Estado, furtos e roubos de veículos, arrombamento a residências nas cidades e outros ilícitos, sem falar no aumento do tráfico de drogas em todo o País.

Assim, não se pode andar com tranquilidade em lugar algum. As residências estão se transformando em verdadeiras fortalezas, prisões domiciliares, uma vez que o cidadão se encontra sob constante ameaça por parte da marginalidade, quer no trânsito, de carro ou a pé, quer em sua casa. Há sem dúvida uma falência de um sistema que deveria fornecer a segurança para a sociedade.

SAÚDE

Falta de remédios nos postos e hospitais do Sistema Único de Saúde, deficiências na quantidade de leitos, dificuldades para a marcação de exames e de cirurgias para a população, longas filas e muito sofrimento para quem necessita dos atendimentos nas unidades hospitalares e postos de saúde. Quantidade de médicos insuficiente para a demanda. Idem quanto ao número de entidades hospitalares em todo o Brasil. Os problemas são agravados com o aumento de acidentes de trânsito, em geral, e com a infeliz descoberta de que mais vírus estão atacando a população brasileira, além do Dengue, agora o Zika vírus, que trouxe mais de 1700 casos detectados de microcefalia em todo o País e a tal de chikungunya, que também assola o Brasil.

EDUCAÇÃO NO BRASIL

Se você chegou até aqui, é um sinal que sabe ler. Se você leu o texto e está entendendo completamente o que está nele escrito já não se encaixa mais na categoria de analfabeto funcional – aquele que consegue ler as palavras, mas não compreende o sentido da frase. Sinta-se privilegiado, pois 38% dos acadêmicos do país são considerados analfabetos funcionais. Entre os alunos do último ano do Ensino Médio da rede pública, 78,5% não apresentaram proficiência mínima em leitura. Já na prova de Matemática, 95% apresentaram não demonstrar domínio sobre conhecimentos básicos esperados para sua idade. São números alarmantes. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico mantém um ranking da educação em 36 países, no qual o Brasil atualmente está na penúltima posição, à frente somente do México.

IRREGULARIDADE CLIMÁTICA

Continua o Nordeste sofrendo os efeitos da seca e o Sul e Sudeste com enchentes. O problema é secular e as previsões para 2016 são sombrias até o momento. Há possibilidades de racionamento e de falta d’água que ocasionarão certamente em enormes dificuldades para as populações, particularmente as interioranas, com prejuízos para a lavoura e consequente morte de rebanhos. A seca deixa quase mil cidades nordestinas em situação de emergência. Para piorar a situação outros desastres naturais decorrentes da mudança e de fenômenos climáticos passaram a ocorrer no Brasil. As providências para minorar esse quadro aflitivo ainda não estão sendo definitivamente tomadas pelos nossos gestores.  

DESEMPREGO

O desemprego voltou a subir no trimestre no Brasil e chegou a quase 9 por cento. Muita gente está sendo forçada a trabalhar por conta própria. O percentual é o maior desde que pesquisa do IBGE começou a ser feita em 2012. Com desemprego, aumenta quantidade de trabalhadores autônomos.

Além do desemprego, aumentou também o número de trabalhadores autônomos, gente que teve que se virar no mercado. Em um ano, mais de 880 mil brasileiros passaram a trabalhar por conta própria em todo o país. São 22 milhões de pessoas sem patrão, sem carteira assinada e décimo-terceiro salário, dentre outros benefícios do emprego formal.

Todos os indicadores refletem o tamanho da crise. Se a pessoa não consegue o trabalho com o emprego formal, que é o melhor, procura alguma alternativa e a maioria corre para a informalidade. Empresários, órgãos oficiais e estudiosos do problema comprovam e reconhecem uma difícil situação.

ECONOMIA E CRISE FINANCEIRA

Entre os malefícios trazidos pela crise financeira em 2015, Fortaleza se apresenta com o terceiro maior índice de inflação do país no mês de novembro. No país a inflação oficial é maior de 10 por cento. Os maiores percentuais desde 2002. As empresas continuam demitindo muito mais do que admitindo, conforme os controles do Ministério do Trabalho. Há milhões de desempregados no país. As principais causas são os aumentos de impostos e outros encargos trabalhistas. E também quando a população compra menos, logicamente as empresas vem menos e como forma de enxugar custos demitem mais.

Em razão da crise financeira houve cortes nos investimentos e aumento de impostos, o que naturalmente veio a gerar mais inflação. E a sociedade se sentiu traída com um quadro econômico lamentável, que veio a ser descoberto apenas após uma campanha eleitoral que camuflou a situação o quanto pode. O Brasil vai para 2016 com um orçamento altamente deficitário e com mais descrédito por parte de avaliadores internacionais.

CRISE POLÍTICA

Desde o início do ano, com a reeleição da Presidente Dilma, o Congresso Nacional está praticamente sem produzir nada para o país, com sua atenção desviada para outros problemas de seu interesse (deles próprios, na maioria). Pouco se faz para resolver a situação, uma vez que os nossos políticos estão voltados desde o início do ano para uma política de toma lá, dá cá, interminável. Além de inúmeras comissões de parlamentares para apurar irregularidades, corrupção, mas que na verdade em nada resultam de concreto.

CORRUPÇÃO E CRISE ÉTICA

Com a Operação Lava-Jato deflagrada teve início o maior processo investigatório de ilícitos, de corrupção, envolvendo em especial transações com a Petrobras, a princípio, e com desmembramento futuros para empreiteiras, construtoras, doleiros, políticos corruptos. O volume das ilicitudes é tão alto e a quantidade de notícias tão grande que a população pouco entende do que realmente se passa no país. Mas essa mesma população sabe que a roubalheira foi grande e que felizmente o Ministério Público, a Polícia Federal e um juiz, considerado principal, o Sr. Sergio Moro, estão atentos aos problemas e dentro do possível vão avançar muito contra a criminalidade.


ESPERANÇAS PARA O ANO NOVO?

Diz-se comumente que a esperança é a última que morre. Porém, em curto e médio prazo fica difícil fazer um bom prognóstico para que o Brasil venha a funcionar de forma correta a persistir as atuais condicionantes.