sexta-feira, 3 de julho de 2015

Música e a arte de improvisar


Hoje lembrei de falar sobre a arte da improvisação na Música... Com técnicas, estudo de teoria musical em seus vastos aspectos, muitos exercícios e dedicação uma boa parte dos músicos consegue fazer verdadeiros improvisos sobre os temas, não apenas repetindo escalas e utilizando “riffs” conhecidos e esperados pelo ouvinte.

Muitos já comentaram sobre a arte de interpretar textos, de concluir sobre temas, ou seja, de tarefas que requerem uma verdadeira arte, estudo, dedicação, dom e, às vezes, inspiração e transpiração também!

Para quem começa a prática de guitarra, por exemplo, uma boa pedida é executar solos de melodias que gosta e ir aumentando o grau de dificuldade pouco a pouco. Mas tudo isso deve, em minha opinião, ser acompanhado de um mínimo que seja de noções musicais e de exercícios complementares, para agilizar o manuseio do instrumento, aumentar sua habilidade ao percorrer seus diferentes trastes e alcances, trabalhar com as cordas de forma a produzir efeitos diversos, com o uso de escalas.

Pois bem, com um encadeamento harmônico apropriado escolhido, o guitarrista passaria a executar a melodia primeiramente, copiando tal e qual a música original. E depois, nos momentos em que haja algum improviso tentar mudar a linha melódica a seu gosto. E haja treino, quanto mais fizer isso melhor ficarão seus improvisos.

Vale observar que nem todos possuem a mesma habilidade, a inspiração, o dom musical para improvisar, o talento, enfim. Mas todos devem tentar, ouvir bastante as linhas melódicas e macetes usados nos improvisos. Nada cai do céu, tenha certeza disso!

Em meu caso o início não foi tão fácil. Nem pensava em improvisar nada. Com o passar do tempo a vontade de modificar alguma coisa na melodia, nos solos, ou simplesmente de criar pequenos improvisos sempre que havia oportunidade foi o que aconteceu. Depois passei a ouvir muito dois guitarristas que considero gênios musicais. O Jimi Hendrix e o Carlos Santana. Passei anos procurando assimilar alguma particularidade deles que pudesse ser incorporada a um estilo pessoal. Mas isso surgiu gradativamente. Com mais técnica, alguns anos na frente ouvi também o Eric Clapton. Os três constituíram para mim um “espelho”, uma coisa boa a ser seguida.

Um fato curioso – há muito tempo, durante um baile de término de curso, eu fiz um longo improviso sobre um tema de uma música, um rock bem pesado, como se diz. No outro dia encontrei com um conhecido que elogiou aqueles minutos de som e, pasmem, pediu para eu “repetir” o improviso! Ao que prontamente respondi que eu não lembrava nem como tinha começado o tal improviso. E para que fique bem claro, não bebia nada. Mas eu ficava “viajando” completamente através dos sons como se estivesse em um mundo diferente. E na realidade estava mesmo!

E assim volto a dizer que improvisar é uma arte, um dom. E por isso mesmo tem que ser trabalhada, apurada, aperfeiçoada, sempre! Se você já consegue ir se soltando nas melodias é um passo importante. Varie, faça do jeito que acha mais legal. Enfeite os sons com seu estilo e tudo ficará cada vez melhor. E não esqueça de no início, escutar muito os bons músicos, assimilar suas técnicas e tudo dará certo!




quarta-feira, 1 de julho de 2015

Uma transformação para sua vida!


Sabe quando você passa muito tempo com um procedimento e se depara com outro, muito diferente? A princípio pode parecer difícil o entendimento do novo conceito, mas se houver interesse na busca por melhoras, novos aprendizados e desenvolvimento tudo será muito interessante e valioso. Se você NÃO pertencer à geração que se intimida com algumas linhas de texto tenho certeza de que fará uma ótima a reflexão.   

O passado, o futuro e o presente!
 
Muitas pessoas gostam de preservar suas memórias, suas lembranças, de escrever e de registrar passagens que consideram importantes para sua vida. Nada mal nisso, porque a própria História não seria contada se não existissem os historiadores... Mas e sobre aquele ditado: “quem vive de passado é museu”, o que você pensa disso? Eu particularmente não concordo, porque simplesmente você pode preservar um passado, até para que outras pessoas o conheçam. Mas não viver dele ou nele - eis a questão.

E do futuro, o que dizer das pessoas que vivem “felizes” com as expectativas de coisas que ainda não aconteceram? Simplesmente uma felicidade enganosa, pois distancia nossa mente do presente e a leva para estados inconscientes da mente. O ato de planejar o futuro é diferente é louvável e muito recomendável. Não confundir um planejamento com uma projeção, que certamente criará expectativas fora da realidade e levaria sua mente para um estágio fora do Agora! Estamos no Presente e em nossas mãos um filme da vida, que podemos guardar para contemplação eterna ou apenas para breves consultas e lembranças, quando surgirem, mas nosso foco deve estar voltado para o presente, para a estrada da vida.

A força da mente

Nossa mente possui mistérios infinitos e tem um poder que não podemos aferir em sua totalidade, não dá para avaliarmos sua imensurável força, ainda mais se for trabalhada, exercitada, do mesmo modo com que nós exercitamos nossos músculos.   
Anteriormente, em outra oportunidade, escrevi sobre a existência de forças reativas em nossa mente, abordando aspectos que ficam memorizados em nosso inconsciente sem que nós percebamos. Para um rápido entendimento ocorre, por exemplo, quando uma pessoa que sofre qualquer tipo de trauma que a leve a um desmaio, e durante o período de tempo em que esteve “fora do ar” ouve de pessoas nas proximidades, frases como: “acho que bateu a cabeça”, “talvez seja grave”, “levem logo para o hospital” e frases desse tipo. A pessoa desmaiada ao retornar ao normal não lembrará daquilo que falaram ao seu redor, mas tudo aquilo ficará gravado em seu inconsciente de forma que poderá (ou não) um dia retornar no meio de uma situação de conflito, angústia ou tensão, de uma forma muito negativa, trazendo malefícios de toda ordem. Por este motivo, segundo minhas leituras sobre o assunto, é que não sabemos por que uma pessoa reage às vezes tão mal e de forma extremamente agressiva em momentos que tais atitudes não seriam compreensíveis. É que a carga desses aspectos reativos voltou ao consciente de forma inesperada. Uma pessoa jogando futebol com um amigo pode, inexplicavelmente, explodir em uma reação intempestiva, chegando até mesmo a agredir o companheiro sem que haja motivo aparente!

Os aspectos reativos

Para ajudar a “deletar” esses fragmentos contendo aspectos reativos de nossa mente, entre outros conhecimentos valiosos, existe uma prática que foi detalhada no livro “Praticando o poder do Agora”, de Eckhart Tolle, com mais de dois milhões de exemplares vendidos pelo mundo. Dentre várias abordagens e ensinamentos essenciais, meditações e exercícios para a mente, destaquei um em especial, que fala do Poder do Agora, que vou procurar resumir em poucas linhas.

A felicidade

As pessoas necessitam ser felizes e buscam a felicidade de todas as maneiras. Nosso cérebro às vezes prepara armadilhas que nos tiram do estado consciente para o inconsciente. Então nosso EGO (que significa o eu de cada um, termo muito utilizado na psicanálise e na filosofia, cuja função do ego é procurar harmonizar os desejos e a realidade). Para Freud, o ego baseia-se que todo evento psíquico é determinado por eventos anteriores, ou seja, não há acasos, e também pela existência do inconsciente que, manifesta-se de diferentes modos na vida mental.

Pois bem, às vezes procuramos a felicidade no Passado e em algumas projeções para o Futuro! Somos traídos pelo nosso EGO que nos tira do estado consciente e nos leva para um estado do inconsciente onde estão impressões e todos os fatos que já vivenciamos nos trazendo uma falsa sensação de felicidade. E outras vezes o EGO nos leva para o Futuro, que ainda não existe, em vez de nos deixar vivenciar o presente, o Agora, que realmente está nos acompanhando!

O segredo do “Agora”

Mantenha-se sempre no Agora, no presente. Procure ajustar sua vida aos parâmetros do presente. Note que quando fizer isso ficará totalmente no modo consciente e assim poderá contrariar o EGO em seu desejo de voltar ao passado, para lhe trazer alguma sensação de felicidade em razão de antigas realizações, ou lhe levar para uma projeção do Futuro, criando expectativas de uma coisa que ainda não chegou! O estado inconsciente de sua mente saberá o que você está tentando fazer. Então o exercício será constante até que sua determinação em ficar Presente começará a apresentar resultados extremamente positivos em sua vida, deixando de lado as ilusões do passado ou expectativas do Futuro.

Tudo isso é um aprendizado constante e talvez no início não seja tão fácil. Eu fiz uma meditação sobre minhas etapas de vida e constatei que todas elas foram muito boas enquanto duraram. E pude notar as inúmeras vezes que fui iludido pelo EGO, ao vivenciar em demasia situações passadas. As diferentes profissões e suas nuances, os diversos caminhos trilhados e as emoções vividas. Um conjunto de acontecimentos que alicerçou, de certo modo, o que sou hoje, o meu Presente! Não esquecerei jamais os tempos de músico profissional, com o Conjunto Big Brasa, a época em que trabalhei nas televisões e depois na área de Inteligência. Mas tudo isso é passado, não existe mais. Ficaram as impressões, as lembranças, mas o que na realidade está valendo é o dia de hoje, este momento em que tento transmitir a você o que percebi no poder do Agora! 

Pratique sua mente para que trabalhe sempre no Agora e se dedique à entrega ao estado consciente. Alcance não a felicidade utópica, mas incontáveis momentos de felicidade real. Com o passado eu não tenho mais nada a fazer, não posso mudá-lo. Sobre o futuro eu desconheço porque ainda não chegou. Na realidade temos o que próprio nome sugere: o Presente! Que deve ser aproveitado sempre e em sua plenitude.

Veja também nas redes sociais: