segunda-feira, 22 de setembro de 2014

O sistema educacional do País e o desrespeito aos professores

Vemos hoje em dia no Brasil um sistema de ensino e um modelo educacional,
ambos muito precários. São inúmeros os fatores que podemos analisar. Dificuldades a perder de conta e desigualdades gritantes entre regiões mais favorecidas e aquelas mais carentes do país. De um lado professores não respeitados, a merecer sempre maior qualificação para o trabalho e salário dignos e de outro lado os estudantes, que serão o futuro do país. A disparidade existente entre os grandes centros e as pequenas cidades, lugarejos, é enorme. Há verbas para corrigir os problemas. Só falta vontade política por parte de nossos representantes, a maioria deles lotados na ilha da fantasia chamada Brasília, no Congresso Nacional. 

A precariedade do ensino no Brasil

Há falta de escolas em tudo que é lugar. E naquelas existentes faltam professores de qualidade, material, estrutura, transporte para alunos, segurança e falta de currículos escolares que realmente possam dar suporte a um aprendizado digno. Na maioria das escolas o aluno sai despreparado para o mercado de trabalho, sem capacitação, e sem ao mínimo conseguir aprender de forma correta o seu próprio idioma. Além disso há escolas muito carentes nos diversos rincões do Brasil, nas quais não chega material de ensino adequado, fardamento para alunos, orientação para seus mestres, transporte escolar, enfim falta de respeito geral. É como se elas não existissem para nós.

A remuneração oferecida aos professores não é nem de perto digna! Os educadores são responsáveis efetivamente pelo futuro do país, que são as crianças e os jovens de hoje. E não recebem um preparo adequado para tanta responsabilidade. Muitos vão às aulas após quilômetros de estrada (ou de mata, dependendo do local), chegam estropiados em estabelecimentos que não são merecedores de serem chamados de escolas... E lutam todos os dias, fomentam um sonho de progredir, de avançar na vida, de sair daquele local e alcançar uma vida melhor. Sabemos que a maioria deles vai se decepcionar e raríssimos encontrarão uma fuga capaz de encontrar um centro grande e, com muita determinação no espírito e força de vontade vencerão na vida! 

Um tratamento digno dos mestres seria necessário

Seria necessário, de forma incondicional, que os educadores tivessem um tratamento digno de suas funções, de forma que vivessem bem financeiramente, pudessem se dedicar a um aperfeiçoamento pessoal e funcional e principalmente pudessem ter uma segurança mínima em sala de aula, o que não ocorre em muitas escolas espalhadas pelo Brasil. Desses fatos podemos concluir que a impunidade, hoje alastrada pelo país, começa dentro das próprias escolas! O aluno briga, bate em professores, provoca tumultos e até afastamentos de profissionais do ensino e nada acontece com eles.

É incontestável que nossos educadores, em grande parte, estão despreparados para bem cumprir o seu dever. Muitos deles estão se evadindo da área da educação e procurando uma sobrevivência em outros ramos, mesmo que sejam da informalidade profissional. Esta evasão não ocorre apenas pelo fator salarial, mas também pela insegurança física dentro das salas de aula, onde são até mesmo agredidos pelos alunos sem ter para quem apelar. A impunidade ingressou até mesmo nas escolas. Aqueles que desistem tornam-se via-de-regra, pequenos vendedores informais ou tentam o empreendedorismo em ramos de atividade que não conhecem, estando assim também fadados a um fracasso.

O resultado da triste situação educacional para os alunos

As matérias oferecidas nas grades curriculares, mesmo se fossem cumpridas à risca, estariam defasadas. O sistema não permite destacar, por exemplo, aqueles estudantes que tem potencial para esta ou aquela disciplina e promovê-lo adequadamente. Assim, em um movimento de “faz de conta que eu ensino” e “faz de conta que eu aprendo” os anos vão passando e milhares de vidas escolares vão se perdendo, ficando as crianças e jovens apenas com suas lembranças e suas ilusões. Algumas, quando entrevistadas, dizem que pretendem ser médicos, engenheiros e outras carreiras importantes... Infelizmente sabemos que dificilmente uma criança educada em uma área carente vencerá na vida. É triste este quadro, mas a constatação é verdadeira. As exceções são incrivelmente mínimas.

Os professores

Se por um lado os estudantes são tratados assim, os professores, já calejados de tanto desrespeito, podem agir de diferentes formas, por exemplo: aqueles que não possuem meios de mudar de vida, de profissão, permanecem no sacrifício, tentando ensinar às vezes o que nem mesmo eles sabem direito. Por outro lado há outros que se acomodam e “vão tocando a vida”, como se diz. A despeito da situação não se motivam mais para conseguir outra profissão. Falta de oportunidades, de conhecimento, pela idade, despreparo para a concorrência etc. E existem os verdadeiros educadores, que possuem vocação para ensinar e mesmo com a lamentável situação do ensino persistem em sua nobre missão.

O que agrava mais o problema

Outras condicionantes sociais agravam o problema. A falta de segurança, a pobreza da população, permite com que a marginalidade ingresse no recrutamento de crianças e jovens para o mundo do comércio de drogas ilícitas, atraídos por um ganho “fácil” e uma oportunidade atraente de poder. São aliciados de forma brutal pelos traficantes. E outros caem na mesma cilada, não por trabalharem para o tráfico, mas sim pelo trágico fato de se tornarem viciados. São vítimas dessa triste situação.

Até quando nossos governantes e a classe política vão deixar este verdadeiro “quadro negro” da Educação continuar?

(*) João Ribeiro é Analista de Informações do Ministério do Trabalho, aposentado, cargo hoje denominado Oficial de Inteligência na atual Agência Brasileira de Inteligência (ABIN); atuou também na Chefia da Segurança Orgânica, de Informática e da Documentação, na Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Atualmente é Diretor do Instituto Portal Messejana e escreve também em seu blog, no qual aborda assuntos de interesse geral da comunidade e de outros campos de expressão do poder nacional. E, de forma eclética, possui boa experiência em eletrônica, informática e Música, com Licenciatura Plena no Conservatório Alberto Nepomuceno. Mantém no Facebook um grupo destinado a relembrar o Conjunto Musical Big Brasa.


Veja também nas redes sociais:

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Por que a “Terra Brasilis” ainda não é ideal em sua plenitude

O que vemos na Terra Brasilis é um vasto e rico território, onde a natureza 

contribui muito para a existência humana. Áreas quentes, tropicais, frias, gosto para todos. Muito verde, áreas agricultáveis e férteis. Uma população hospitaleira e que aprecia a vida. Com dimensões de um grande continente teria tudo para se desenvolver em um ritmo evolutivo suficiente para aumentar o bem-estar de seus habitantes. Mas não é isso que acontece. Quais seriam esses entraves e suas causas? Muito difícil de identificá-las em e mensurá-las de forma plena...

Esta série de vantagens na Terra Brasilis é descompensada por inúmeros problemas que a impedem de avançar cada vez mais em direção a um mundo de maiores progressos em diversos campos.

Muitos analistas se debruçam sobre os problemas da Terra Brasilis e estudam as suas principais causas. Chegam a conclusões bem aproximadas de um acerto total. Na área social residem os principais problemas: o desemprego, a saúde, a educação, a violência crescente, o aumento das drogas e da criminalidade, a falta de investimentos nos pontos necessários é um ponto chave para a questão.

É de certo modo fácil mencionar os problemas e suas causas. O mais difícil é dizer por que tudo fica na mesma e até mesmo sente-se o agravamento da situação geral da Terra Brasilis.

Toda nação possui um ordenamento jurídico e um conjunto de normais que regem e disciplinam todas as atividades. E a Terra Brasilis possui essas leis em quantidade suficiente, mas algumas se encontram totalmente defasadas em razão de mudanças na própria sociedade, nos costumes. E para que o povo siga essas normas gerais deveria existir em primeiro lugar a educação e o respeito ao próximo. Se pelo menos esta regra fosse cumprida não precisaríamos de nenhuma lei. Por exemplo: condição básica: não fazer nada, praticar atos que causem prejuízos ao próximo. Pronto, se isso fosse cumprido seríamos um paraíso na terra. Mas como isso é uma utopia, foram criadas juntamente com as leis, as penalidades para aquelas pessoas que existem as penalidades. Os códigos que disciplinam os direitos e deveres preveem também as penalidades para aqueles que não os observam.
 
Portanto, temos os princípios acima e a mostra da causa maior da maioria dos problemas e dos males, que reside na impunidade. Ora esta impunidade está intimamente ligada a mais códigos legais, procedimentos e trâmites que dependem exclusivamente dos homens. E assim o ciclo é fechado. Temos uma Terra Brasilis com amplas condições para uma vida tranquila, um ordenamento de leis para reger todas as ações e medidas disciplinares e penais para tratar aqueles que não as cumprem.

Determinar exatamente onde é o princípio disso tudo é a parte difícil e que nossos representantes não estão se esforçando há muito tempo. Os políticos, em sua maioria, são interessados em si próprios, isso em se tratando de todos os rincões de nossa terra. E nossos gestores também possuem parcelas de culpa acentuadas quando prometem e não cumprem suas metas e objetivos.

Atravessando tudo isso de ponta a ponta está o maior dos males, que é a corrupção, alimentada pela ganância daqueles que burlam os regulamentos, compram aqueles que se vendem por dinheiro, benefícios ou poder, atravancam o bom andamento das leis através de procedimentos ilícitos e se constitui em um câncer que destrói paulatinamente tudo o que é bom na Terra Brasilis. Ainda não temos remédio para esse mal, que está arraigado de forma profunda no âmbito nacional.

sábado, 13 de setembro de 2014

Minha percepção sobre outros planos de vida

“Na casa de meu Pai existem muitas moradas”, assim disse Jesus Cristo, de forma sábia. Mas muitos ainda não entenderam sua mensagem. Todos nós aqui no planeta Terra atravessamos um ciclo de vida. Desde o nascimento, a fase adolescente, depois ficamos adultos e entramos em outra fase, a chamada envelhescência até que um dia falecemos. 

Este é o ciclo natural da vida. Não há outro jeito. Ninguém gosta muito da ideia, principalmente nós, ocidentais. Alguns povos possuem uma cultura diferente da nossa a respeito da morte e até a recebem sem muitas lamentações e sim, como uma verdadeira passagem para outro plano. Sobre este aspecto nenhuma dúvida, apenas constatações.

Gostaria de fazer algumas reflexões sobre o “penso” que entendi, até o momento, sobre a nossa vida espiritual. Neste campo há margem para muitos entendimentos diferentes, proporcionados pelas diversas culturas, etnias e religiões. O meu pai ao falar do assunto comentava às vezes que até mesmo os conceitos sobre o Bem e sobre o Mal têm interpretações diferentes. Como? Somente por exemplo: o que faz uma pessoa destruir centenas de seus semelhantes usando como artifício seu próprio corpo, cercado de bombas, na “certeza” de que estaria fazendo algo “divino”? Para o homem-bomba o que faz é certo. Entretanto para nós, de cultura totalmente diversa é extremamente errado. E inconcebível. Mas o fato é que estas diferenças enormes entre os seres humanos existem. Enquanto alguns falam de Jesus e de Deus, outros simplesmente não acreditam nada disso e têm outras divindades ou crenças. 

Mas bem. E depois de tudo, de nossa passagem terra, para onde iremos? Partindo do princípio de que nossos espíritos já habitaram outros mundos, o que até admito pelas diferenças entre nós, é fácil crer na existência de outras instâncias depois de nossa morte física, de nossa passagem efêmera aqui na terra.

Muitos acreditam que o homem é produto do meio. Eu acho que não é só isso. Outras influências agem no processo. Ou seja, como se explica que irmãos, nascidos no mesmo local, recebendo a mesma educação, tendo as mesmas pessoas em sua convivência, tenham grandes diferenças entre si em inúmeros casos? Como em um mesmo grupo familiar podem existir pessoas com pouca capacidade cognitiva e também pessoas com “inteligências raras”, como a dos gênios? Difícil entender, não é mesmo?

E como se pode explicar que se hoje em dia entregarmos calculadoras, livros, computadores para as pessoas, ninguém será capaz, mesmo com todos os instrumentos disponíveis, de calcular a distância entre a terra e a lua ou cálculos matemáticos de extrema relevância que foram encontrados nas pirâmides do Egito e em incontáveis obras da antiguidade? Como os egípcios conseguiam uma química suficiente para embalsamar os corpos de seus mortos para que durassem até hoje?

Concordo plenamente com a ideia de que a terra já foi visitada muitas vezes por alienígenas. Seres com inteligência muito superior à nossa e que certamente devem ter feito muitas experiências com os humanos. Será que neste Universo tão grande, com milhões de planetas distantes, mas alguns deles com características semelhantes com a terra, não poderiam estar ocupados com vida inteligente como a nossa, ou com inteligências e vidas de outro nível?

Sinceramente até que eu adquira mais conhecimentos a respeito do assunto, continuarei com o meu conceito atual, baseado no que disse Jesus Cristo e em muitos escritos que li a respeito do assunto.

Depois de nossa vida terrena iremos para outro plano, mais ou menos evoluído, dependendo muito do que fizemos nesta passagem. Teríamos (só para efeito de raciocínio) uma planilha de cálculos para cada um de nós, controlada por uma inteligência suprema que nós chamamos de Deus. Assim, conforme nossos atos bons e ruins, nossa cotação para o futuro iria se armazenando nessas contas... E assim continuaríamos nossos destinos em outras moradas de Deus (melhores ou piores que a nossa aqui na terra).  

Criado em uma religião católica, na qual encontro muitas dúvidas atualmente, de modo principal por alguns dogmas criados pelo homem, decidi ler mais sobre Deus. E o resultado é impressionante! Sabemos que Deus é tudo, mas não tem matéria. Está presente em todo o Universo, mas não o vemos. Não interfere em nossos procedimentos aqui na terra porque temos o livre arbítrio... E dessa forma também não impede e nem interfere em catástrofes enormes que ocorrem neste planeta, nos mais variados locais, por motivo que ainda não entendemos. Foge ao nosso alcance essa percepção.

Existem pessoas questionando o assunto da seguinte forma: “Será que Deus criou o homem ou o homem criou Deus?” pela necessidade de acreditar em uma vida após a morte? Eu não questionaria dessa forma, porque acho que independente dos dogmas de algumas religiões, de equívocos, de comentários sobre divergências encontradas em escrituras sagradas como a Bíblia, todos os erros foram cometidos por nós mesmos, os humanos.  A Bíblia foi montada com escritos pelos homens, os dogmas e as religiões idem. E como somos extremamente falhos há que se admitir e tolerar esses eventuais problemas para a nossa concepção de um SER SUPREMO, de uma ENERGIA SUPREMA, acima de tudo e de todos e que dá um ordenamento a todo o Universo.


Veja também nas redes sociais:

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

E eles apareceram de novo!

Tal qual fantasmas das historias em quadrinhos, desenhos animados, eles apareceram de novo, mas em nossa vida real! Mas quem? Ora mais, só poderia ser uma enxurrada de políticos para tudo que é gosto. De tempos em tempos eles aparecem, pedem votos, fazem promessas incríveis e depois, se eleitos, somem!  
Concordando plenamente que “política é tudo”, ao mesmo tempo em que discordo integralmente daqueles que fazem uma política partidária cercados de interesses, com objetivos dúbios. E mais do que isso, quando aparecem de forma hipócrita antes das eleições! Como são simpáticos, cheios de amor à Pátria e aos brasileiros... Eles prometem corrigir tudo, o que você imaginar. É uma desfaçatez quase generalizada, lamentável sobre todos os aspectos.

UMA POLÍTICA PARTIDÁRIA VOLTADA A INTERESSES

No meu entendimento a política partidária deveria existir, é óbvio, mas com regras bem rígidas de forma que um cidadão pudesse servir ao seu país somente por dois mandatos. E pronto. Assim os políticos profissionais, os vícios, os macacos velhos na arte, não existiriam. A “profissão” político deixaria de existir. Os salários deveriam ser atraentes e compensadores, mas não exorbitantes. E todos aqueles que se propusessem a exercer um cargo político saberia, de antemão, que não iria se perpetuar no poder, no cargo.

A POLÍTICA COMO PROFISSÃO

Outro detalhe que acho bem importante na política partidária brasileira: não há programas definidos. Se existem estão apenas no papel para cumprir o que a lei determina. Pense bem: caso você peça para algum brasileiro dizer quantos partidos existem no Brasil... Alguém se atreveria a responder? E aprofundando um pouco mais: qual seria o programa ou ideologia por eles seguida? Ninguém sabe responder nada disso. Poucos estudiosos conseguiriam tal façanha. Os nomes dos partidos políticos formam uma verdadeira “sopa de letras”, como se diz em um jargão muito batido. É uma verdadeira festa! Tem lugar e partido político para todo mundo aproveitar um pouco! 

GANHAM MUITO E TRABALHAM QUASE NADA

Infelizmente o que se mostra abertamente no Brasil é um total descaramento da classe política, porque se acham intocáveis. As comissões de ética são feitas por eles, as Comissões Parlamentares de Inquérito também. Então pronto, novamente. Estão tranquilos porque quase todos tem o que esconder. E cada um protege o outro, em um corporativismo absurdo. O custo x benefício de cada político para o País é imensurável!

E AS BENESSES AUMENTAM

Cada um com suas assessorias parlamentares que na maioria das vezes serve apenas para atender à imprensa e dizer que o fulano de tal não se encontra, que “está a serviço” etc. etc. Auxílio moradia, auxílio paletó, auxílio tudo... Mas o pior é que durante seus mandatos os políticos fogem totalmente de nosso alcance! Ficam bem longe do povo, na inércia de seus trabalhos.

As reformas importantes, como a própria REFORMA POLÍTICA, não são votadas. Os códigos, as leis ultrapassadas, tudo vai sendo levado com a barriga. Trabalhar para que? Porque existe uma impunidade incrível e uma falta de mecanismo para que o povo, que elegeu, possa também desligar, ou seja, retirar aquele político que não esteja correspondendo aos anseios de quem represente.


AS PROMESSAS DE CAMPANHA

Sabedores de que no país as coisas não estão bem em muitos setores, para eles torna-se fácil prometer... “Vou melhorar a segurança pública”. Outro diz “se eleito for dou um jeito na área da Saúde” e por aí a lista de promessas se estende indefinidamente. E assim estamos novamente em uma campanha eleitoral, com centenas de cargos sendo disputados em todo o Brasil. E eles gastam com suas propagandas enganosas; aparecem tomando cafezinho, comendo pastel nas feiras, falando com o povo em todo lugar! Como são interessados pelo povo!

É como dizia um bordão antigo de um programa de televisão “Me engana que eu gosto!”.
E o que dizer das carreatas, dos sorrisos distribuídos em comunidades mais carentes, buscando a ilusão daqueles que desejam melhorias para suas comunidades? Boa parte deles são mais falsos do que notas de R$ 25,00 (vinte e cinco reais)... E o povo se ilude! Canta, pega bandeirinhas, guarda santinhos para depositar o seu voto, vibra com os discursos durante as carreatas, com os fogos de artifício soltados quando eles passam! É uma festa geral.

E DEPOIS DE ELEITOS?

Primeiramente os fantasmas desaparecem! E depois quase a totalidade daqueles que forem eleitos assume seus cargos e abandonam totalmente o povo. “Que se dane o povo, que se lasque”, como diria o personagem “Justo Veríssimo” criado pelo nosso saudoso Chico Anísio e também o “João Plenário”, personagem de outro programa de televisão, este que por sua vez anda com uma maleta repleta de papéis e vive tentando fazer todo tipo de falcatruas, de enroladas com o dinheiro do povo. Sabemos que existem exceções, como toda regra. 

Bem, estamos bem no meio de centenas de políticos que nem esses personagens. Só nos resta a missão quase impossível de discernir onde está a verdade. É como procurar agulha em palheiro! Teremos, certamente, um lote muito grande de maus gestores em todas as esferas e de políticos, tanto nos municípios, quanto nos Estados. Serão centenas de semianalfabetos “mamando nas tetas da Nação”... Vejam na figura seguinte a profecia de Geisel sobre o quadro:

 

Estou convicto de que escrevo um quadro verdadeiro, da mesma forma que sei a falta de conhecimento da maioria dos brasileiros, que nem mesmo acesso à leitura possui. E que se interessa apenas pela sua sobrevivência. 

Veja também nas redes sociais:

terça-feira, 9 de setembro de 2014

A ignorância e o secretismo podem induzir a interpretações equivocadas

Há tempos tenho observado que a ignorância de muitas pessoas, aqui tratada como falta de conhecimento de assuntos específicos, pode induzir a interpretações equivocadas a respeito de determinados assuntos. Se observados a tempo essa ignorância pode ser transformada em um conhecimento essencial e modificar os entendimentos de forma substancial. Enfatizo nesta matéria um caso ocorrido comigo, após um curso na Área de Inteligência do governo federal, em Brasília, como Analista de Informações do Sistema Nacional de Informações, cargo hoje que possui a denominação de Oficial de Inteligência. Os modos de apresentar a Atividade mudaram significativamente - e para melhor! 


Mas bem, vamos lá. Em início de carreira, voltava eu de um Curso de Formação na área de Inteligência, realizado em Brasília. Eu tinha 30 anos de idade. Foram seis longos meses de muito estudo, dedicação e interesse pelos conteúdos. As matérias, as aulas, os treinamentos e exercícios todos muito bem elaborados e um aprendizado muito importante para a minha profissão. Tudo isso com dificuldades por estar longe da família, além dos rigores do aprendizado, que mais tarde iriam ser muito úteis.

Primeiro dia de serviço! Ao chegar a meu local de trabalho, uma Assessoria de Segurança e Informações instalada no Ministério do Trabalho, estava realmente empolgado e bem disposto para exercitar as tarefas a mim pertinentes da melhor forma e transmitir os conhecimentos para demais colegas que ainda não tinham o referido treinamento. Saí do elevador e cruzei com um antigo funcionário (a quem vou chamar de Francisco), que tinha idade bem maior que a minha, o qual olhou para mim e fez o seguinte comentário, em tom jocoso: “Quer dizer que agora aprendeu a entregar as pessoas com técnica, não é?” Foi um golpe duro, reconheço. Apesar da pouca idade fui sensato, engoli em seco o que para mim tinha sido um verdadeiro soco no rosto. Disse apenas para ele: “Francisco, se puder “perder” um pouco de tempo comigo, amanhã, eu gostaria de conversar com o senhor”... No que ele assentiu imediatamente e ficou até um pouco surpreso com o convite.

No dia seguinte, quando ele chegou até minha sala de trabalho eu disse que tinha ficado um pouco triste com a afirmação que ele tinha feito sobre meus estudos. E passei a fazer uma breve explicação de como funciona a Atividade de Inteligência em um país, seus objetivos, a seriedade dos conhecimentos produzidos e o bem que ela pode oferecer para os governantes, particularmente para aqueles que sabem utilizá-la. Resumidamente traçava alguns organogramas para que ele entendesse melhor o assunto. Notei que o interesse daquele funcionário aumentava na mesma proporção que ia entendendo o assunto... Ao final da conversa ele, educadamente, agradeceu muito a conversa e continuamos nossa jornada. Após este fato, nos anos seguintes, Francisco se tornou um dos maiores entusiastas da Atividade de Inteligência e muito me auxiliou no entendimento de assuntos trabalhistas dos quais ele era bom entendedor. Neste caso era o desconhecimento da Atividade que produzia nele impressões totalmente equivocadas a respeito de Inteligência.

Por outro lado, de um modo geral, o secretismo que era usado no Brasil nos primórdios da Atividade de Inteligência (podemos assim dizer) concorriam para que fosse tida como uma atividade “suspeita”, que gerava muita curiosidade e por sua vez histórias fantásticas a respeito. Nada a ver.

Pelo fato de alguns documentos normativos receberem classificação “CONFIDENCIAL”, “RESERVADO” etc. conforme o que previa o Regulamento para Salvaguarda de Assuntos Sigilosos, instituído por legislação específica, nos primeiros dias de trabalho eu saía do expediente com a sensação de que todo mundo “olhava para mim”. Pouco tempos depois aprendi a lidar com a atividade de forma comum, como outras atividades laborais!

Hoje em dia esse secretismo exagerado não mais existe. Podemos acessar a Internet e conhecer tudo sobre a importância da Atividade de Inteligência para nosso país, saber quais são as funções, atribuições, finalidades etc. Simples assim!

As informações estão bem dispostas no site da Agência Brasileira de Inteligência – a ABIN, cujas atividades citamos a seguir.

“A Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), órgão central do Sistema Brasileiro de Inteligência (SISBIN), tem a seu cargo planejar, executar, coordenar, supervisionar e controlar a atividade de Inteligência. Ufa! São muitos os órgãos integrantes do SISBIN. Entre esses, podemos listar os centros de Inteligência do Exército, da Marinha, da Aeronáutica, do Departamento de Polícia Federal, da Secretaria da Receita Federal... A Agência tem como competência assessorar o Presidente da República, fornecendo  relatórios com o conhecimento antecipado de fatos e situações relacionados ao bem-estar da sociedade e ao desenvolvimento e segurança do País.”

Visite o site da ABIN e conheça uma atividade essencial e importante demais para o desenvolvimento do Brasil. O site fica emwww.abin.com.br



Veja também nas redes sociais:

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

A organização em nossas vidas, um princípio de extrema utilidade


Não sei se nós nascemos com um pouco do princípio de organização, se o adquirimos pela vivência ou necessidade ou se fomos treinados por alguém. Acho que alguma coisa vem de nosso espírito, tendo em vista que algumas pessoas desde crianças já conseguem manter os seus brinquedos e pertences bem organizados e cuidar bem deles. E outras não estão nem aí, como se diz...

Estes que não estão preocupados em guardar nada certamente já se depararam com a seguinte situação: um aparelho eletrônico que ainda está na garantia e tem algum problema... Onde está a nota fiscal? É um requisito básico para a prova de sua aquisição e você terá que apresentá-la na assistência técnica! E se você não a guardou ou não sabe onde encontrá-la já ficará no prejuízo... E se você já pagou uma conta e novamente recebe uma cobrança indevida? Como irá questionar e provar que a dita conta está paga?

O importante mesmo é você definir tudo aquilo que precisa encontrar de imediato, escolher um local adequado e manter uma rotina de forma que todos ao seu redor saibam dessas pequenas (mas importantes) regras de organização.

O fato é que, em minha opinião, os princípios de organização devem ser transmitidos pelos pais a seus filhos ou então eles mesmos aprenderem isso, pela utilidade prática no dia a dia. Não precisa que a organização se torne um “tormento” para aqueles que irão se iniciar nos métodos. Pouco a pouco tudo de tornará uma rotina simples e você nem notará que a está cumprindo. Os benefícios serão extremamente importantes. A organização de sua vida financeira é também muito importante!

Se a organização vai ajudar em sua vida eu tenho certeza disso. O simples hábito de guardar os objetos nos seus respectivos lugares, sejam eles quais forem, é muito importante. Por exemplo, desde criança eu gostei de lanternas, de tudo que é tipo! Não sei explicar o porquê disso. Quem sabe de onde vim não havia muita iluminação? Minha mãe sabia disso e de vez em quando me presenteava com uma lanterninha. E muitas pilhas... E isso se faz presente em mim até hoje, com uma diferença. Apesar de comprar às vezes lanternas simples e outras com novidades tecnológicas, procuro sempre mantê-las em locais estratégicos, de fácil acesso. E alertando a todos sobre aquele local. Assim ficará automatizada a sua busca quando necessário for.

Da mesma forma posso citar as ferramentas em geral (não precisa fazer um painel, como em uma oficina, basta que você saiba onde encontrá-las), os CDS de instalação para os computadores, o local para os remédios de um “kit” caseiro, onde guardar os carregadores para tudo que é equipamento... Saber onde está um alicate de pressão, uma chave inglesa, uma fita isolante, de imediato, pode ajudar muito! E somente a organização possibilita isso.

Por motivos de segurança todas as chaves de uma casa, de automóveis, controles de portões automatizados, devem fazer parte dessas rotinas de organização! Qual seria a melhor maneira de alguém invadir a sua casa facilmente? Ora, com as chaves! Então se previna e instrua aqueles que convivem em sua residência a manter todas as chaves nos seus respectivos locais e protegidas. Deste modo facilmente poderão sentir sua falta e lhe avisar sobre um eventual risco de furto, quem sabe?

E a documentação que você acumula ao longo dos anos? Alguns documentos podem ser descartados após certo período, nós sabemos. Mas notas fiscais, escrituras de imóveis, exames médicos anteriores e outros devem ser mantidos. Adotei uma maneira simples de arquivar tudo isso. Ao final do ano os documentos correntes (recibos de pagamentos diversos) são colocados em uma pasta referente ao ano de utilização e guardados. E aqueles documentos que serão utilizados várias vezes em sua vida, como certidões, atestados, escrituras, identidades etc. ficarão sempre em local de acesso restrito, separado dos demais.

Muita gente acha tudo isso pouco importante, que é melhor curtir a vida de forma despreocupada, sem “estresses”, deixando tudo largado. E dirão que o apego a bens materiais faz mal. Não é bem isso... Os princípios de organização, se bem utilizados, podem tornar sua vida mais tranquila e segura, tenho absoluta certeza disso!

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

A ternura e o sorriso de uma criança

Incomparável, imensurável, incrível? Não há palavras exatas para exprimir a sensação que emana do sorriso de uma criança, principalmente quando existem laços afetivos e de família. Mas todas as crianças são belas, puras e merecem o que tivermos de melhor para lhes oferecer. Neste caso, especificamente, me refiro ao sorriso e a ternura de minha neta e o quanto ele é cativante. É como um renascer em vários aspectos.

As brincadeiras que fizemos com os nossos filhos, algumas quase esquecidas pelo tempo, retornam cheias de encantamento. Lembro perfeitamente das primeiras melodias que nossos filhos cantaram e, graças a um dom divino sempre bem afinadas!

No momento atual vivo certa ansiedade para que o tempo demore a passar no sentido de que possa permanecer mais com ela e transmitir alguns conhecimentos básicos, musicais, talvez. As impressões que vou percebendo do aprendizado e do avanço dela é uma coisa bem legal de ser vivenciada.

Com muito carinho, pela proximidade, vamos acompanhando toda a sua evolução, dos seus movimentos, seu sorriso aberto e angelical, do reconhecimento das pessoas, de gestos e de maior habilidade no tocar os objetos, de mexer com os brinquedos e até mesmo de chamar o nosso gato Babu, cujo nome ela ainda não conseguiu dizer direito. 

Da mesma forma com que as alegrias se repetem, as preocupações rotineiras também acabam por retornar. Os cuidados em casa, as oportunidades para brincar, para transmitir e ensinar as primeiras palavras, os pequenos gestos, ajudar nos primeiros passos. Agora que já sei como o tempo passa rápido eu fico cada vez mais ansioso para aproveitar todos os momentos. A felicidade com os netos é um verdadeiro prêmio!

Alguns brinquedos que tive quando criança estão ultrapassados ou adaptados para uma realidade mais eletrônica, tecnológica e moderna. Um dia desses vi em uma relação compartilhada de filmes pela televisão, na qual “eu” tinha assistido a “Galinha Pintadinha” e vários outros desenhos do mesmo gênero. Achei muita graça nisso, porque era apenas uma marcação dos filmes preferenciais e selecionados por minha filha.

Andar de carro assistindo um DVD era coisa inimaginável. E hoje é tudo muito natural. Usar o Facetime para se comunicar também seria impossível antigamente. Os arranjos musicais e em vídeo das historias infantis também evoluíram de forma impressionante. Quase todos muito bem animados, coloridos e com as trilhas sonoras e narrações bem produzidas!

Este é o meu momento presente, na esperança que perdure por muito mais tempo.
E estas são impressões únicas, que procurei registrar dessa verdadeira dádiva de Deus.