sexta-feira, 18 de julho de 2014

Como sobreviver emocionalmente nesses tempos ruins?

A vida agitada, a pressa, os estresses diários, o bombardeio de informações pelos diversos tipos de mídia, a insegurança generalizada, as notícias desagradáveis sobre o país, as boas notícias, enfim...  Estes são alguns componentes de uma carga que recebemos diariamente e que precisamos aprender a conviver para bem sobreviver!
Muitas vezes acordamos bem, com o espírito em paz, pelo menos com margens para receber e dar bons sentimentos e fluidos. Mas o que acontece no decorrer do dia quebra este encanto, digamos assim. Somos surpreendidos com os pequenos dissabores da vida e, porque não dizer, com uma verdadeira carga negativa que nos atinge, sem mesmo que nos apercebamos disto.
Em casa as preocupações rotineiras. Um eletroeletrônico que deixa de funcionar, preocupações com a segurança, com a saúde da família e por aí vai. Ao ligar a televisão os jornais nos trazem todos os tipos de informações possíveis, sendo que aquelas que mais se destacam são as tragédias, os assassinatos, as falcatruas, os escândalos em diversas esferas das atividades públicas. Tudo isso pouco a pouco vai “enchendo o nosso copo d’ água” e assim aumentando nossa irritabilidade.
Por outro lado no trabalho temos que enfrentar o trânsito, com seus percalços. Os engarrafamentos, os perigos constantes dos acidentes, de assaltos, que nos fazem trafegar com os vidros fechados em uma tentativa de nos isolar do mundo... Há aqueles que podem e até transformam seus veículos em fortalezas blindadas, tal é a situação.
Com o passar dos anos vamos recebendo também informes dos avanços da medicina e mais alguns, frutos de pesquisas médicas, que muitas vezes nos confundem. Por exemplo: um alimento que desde criança foi nos recomendado comer por ser extremamente saudável... Aí aparece uma pesquisa e diz que aquilo pode provocar câncer... Paramos de consumi-lo... Logo após outra pesquisa diz que não... Que tal alimento é realmente saudável. Um dilema para quem recebe toda essa carga.
O nosso lado emocional precisa ser fortificado, penso eu. Primeiramente ao aproveitar todo o tempo que nos restar para alimentar nossa mente e espírito com coisas boas (e mesmo fazer um esforço para conseguir essa reserva).
Cheguei à conclusão, um pouco óbvia para muitos, que o Tempo é curto demais, não é impressão e sim uma realidade que devemos assimilar. Nossa passagem por este plano é efêmera demais e não pode ser desperdiçada como o fazemos em algumas oportunidades. E mais: o Tempo não retrocede! Assim não há “treino de vida” e sim o “jogo de vida”.
Este e outros indicativos apontam que o caminho é preparar nosso cérebro para que tenha capacidade de se adaptar às modernidades, à tecnologia, aos males de nossa época, fortalecendo uma mentalidade plena de conhecimentos de modo a poder atuar em cada uma das situações atuais de estresse com relativa calma. O treinamento e o aprendizado disso certamente nos trarão maior facilidade no enfrentamento das questões, nos ajudando na empreitada de sobreviver emocionalmente nos tempos ruins. Assim como devemos manter nossos músculos em ordem, para uma boa saúde física, o treinamento mental para desenvolver atitudes positivas também se faz necessário.
A escrita destas poucas palavras, por si só, já ajudaram a mim no caminho de mais iluminação. Espero que a leitura deste texto possa ajudar você também!