sábado, 31 de maio de 2014

A situação do Brasil e dos brasileiros... Será que a democracia nossa vai bem?


Estive pensando e notei alguns indicadores de que a situação do Brasil e dos brasileiros é difícil em diversos setores. Mas quem não sabe disso? Pelo que me lembro dos governos militares, muito criticado por alguns setores... Mas é bom lembrar que nos governos militares não havia a verdadeira anarquia, “esculhambação” (o termo merecido é este mesmo), desrespeito a autoridades constituídas, impunidade generalizada, drogas por toda parte, sem controle, como existe hoje. Há, dentre outras, crises de moralidade, falta de autoridade, impunidade e falta de prioridades. A Ordem e o Progresso que estão estampadas em nossa bandeira não estão sendo observados.  

O enfoque de vários indicadores, mesmo superficialmente, forma um quadro de situação lamentável, senão vejamos:

AS MANIFESTAÇÕES

É fato que as manifestações de rua ocorridas por todo o país nas quais mascarados, além de desafiar as forças de segurança, destruíram agências bancárias, estabelecimentos comerciais, prédios públicos, incendiando carros, ônibus, atacando repórteres e carros da imprensa e destruindo praticamente tudo o que encontraram pela frente. Ninguém foi preso e os que foram detidos logo foram liberados...

O DESRESPEITO À AUTORIDADE É ALARMANTE

E dos quadros em diversos programas de televisão no qual a figura da Presidente da República é ridicularizada ao extremo, com deboches, inclusive utilizando palavras e expressões de baixo calão, em um verdadeiro desrespeito à autoridade que o cargo merece? Isto é democracia? Ou anarquia?  E tudo isto é tido como “engraçado”, ou seja, as crianças, a juventude em si assimila esta cultura da anarquia “na boa”. Entendo que mesmo que não se goste de um governo ou governante um mínimo de respeito é devido à figura de uma autoridade.


SEGURANÇA PÚBLICA

As polícias em geral, tanto a civil quanto a militar, estão necessitando de mais pessoal, melhores salários e mais treinamento para bem executar as suas tarefas. Uma coisa puxa outra, ou atrapalha outra. Observem o seguinte: a polícia ostensiva não tem efetivo suficiente para coibir a criminalidade, entre diversas tarefas que lhes são afins. E a Polícia Civil, também com efetivo muito abaixo do desejado, é ocupada em vigiar presos em delegacias. E as leis são frouxas demais fazendo com que presos que deveriam ficar nas grades facilmente retornem às ruas. O aumento da criminalidade é assustador. O armamento de marginais e traficantes com armas adquiridas no exterior também é um ponto crucial na questão. Enquanto as polícias locais apreendem armas em pequena quantidade, uma avalanche de verdadeiras armas de guerra chega ao Brasil através de nossas fronteiras, principalmente com o Paraguai. E nossa diplomacia, como vai? Por que não tentar através de acordos ou conversas com esses países que proíbam a venda de armas de fogo? Ora, sabemos que até armas pesadas que podem derrubar até aviões podem ser compradas no exterior. E alimentam a guerra do narcotráfico e o poder de fogo dos meliantes.

A SAÚDE

As deficiências na área da Saúde são tantas que falta espaço para comentá-las e seria necessário um livro para que tudo fosse abordado. Atendimentos que não prestados a vítimas que padecem nos corredores dos hospitais e que às vezes até morrem à míngua em frente a unidades hospitalares, falta de remédios básicos nos postos de saúde que proporcionem um mínimo de respeito para as populações de baixa renda, impostos altíssimos que oneram o custo de medicamentos, estão entre os principais problemas. Como pode um cidadão idoso que ganha o salário mínimo ou pouco mais – e que necessita de remédios continuados para a manutenção de sua vida, pagar mais do que R$ 500,00 mensais por remédios? Como ele irá fazer para o resto de suas despesas, como alimentação, vestuário, transporte, pagamento de luz e água, enfim... Não dá mesmo. Isto gera naturalmente um natural descontentamento por parte dessas pessoas, ao mesmo tempo em que sabem dos altos salários dos políticos e dos desmandos que ocorrem no país que em sua maioria ficam na impunidade.

DISCREPÂNCIAS SALARIAIS ENTRE OS PODERES DE REPÚBLICA

Um verdadeiro absurdo, que caracteriza uma discriminação entre os poderes são os salários e as benesses distribuídos pelo Poder Legislativo a seus servidores (políticos e funcionários) e Poder Judiciário (em menor escala) enquanto que os servidores do Poder Legislativo têm salários infinitamente menores. São as chamas “coisas legais”, que estão em Lei. Mas quem produz as leis? São os nossos próprios representantes (os políticos). Então se alguma coisa está muito errada a culpa é nossa, de quem os coloca nos Carlos via eleições. Votamos errado, não gravamos nem o nome dos candidatos nos quais votamos, com o passar do tempo. E isso é ótimo para a continuidade da situação!

Assim podemos observar que o Brasil é regido por uma constituição dita "cidadã" por se dizer democrática e estabelecer importantes dispositivos fundamentados na soberania, na cidadania, na dignidade da pessoa humana, nos valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e no pluralismo político. Mas na realidade a coisa é bem diferente: mostra várias divergências, antagonismos, hipocrisias e utopias.

A CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA

Em seguida, prevê que são Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, mas na real, eles se comportam de forma divergente, autônomos e separados do Estado, pagando salários diferentes para cargos de mesmo nível gerencial e operacional, criando desarmonia, desconfiança e aristocracia no poder público. Ainda, aparece uma função essencial da justiça com direito à independência funcional e administrativa se estabelecendo como um quarto poder e separado do Poder Executivo. Na constituição só há três Poderes.




AS MUDANÇAS QUE NUNCA CHEGAM

Por último vale mencionar a leva de mudanças que nunca chegam para melhorar o quadro geral: alterações no Código Penal Brasileiro, no Estatuto do Menor e do Adolescente (visando acabar com a impunidade), melhoras significativas nas tributações, fazendo com que os impostos sejam menores e que os cidadãos possam receber o retorno devido através dos serviços... Mudanças na política, diminuição da quantidade de políticos, de seus salários e suas benesses, maior respeito aos partidos políticos, que no Brasil existem em quantidade, mas sem nenhum conteúdo programático que seja realmente observado por seus adeptos. Diminuição do número de Ministérios: pouca gente sabe hoje quantos são os Ministérios, quem representa as pastas e suas reais finalidades... Muito menos ninguém sabe quem os fiscaliza...

CRISE DE MORALIDADE

Por fim acho que os fatores acima são muito graves e que, a continuar o sistema atual, continuaremos a ser dominados e nada vai se tornar melhor. Há várias crises no país, mas dentre elas a de moralidade é uma das maiores.


Veja também nas redes sociais:

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Os bons hábitos de escrever e de registrar aspectos de nossa existência

Às vezes fico pensando: o que me faz sentir necessidade de registrar alguns momentos ou os melhores momentos de nossa existência? Para algumas pessoas isto não faz e não terá importância alguma. Mas para mim dá a impressão de marcar o dever cumprido, as metas que foram estabelecidas e alcançadas, as dificuldades de percurso etc. Sinto-me muito bem com estes procedimentos.  

Um dia desses consegui recuperar partes de um diário que escrevi, feitos em um aplicativo de computador. Eram poucas frases, resumos do dia a dia, coisas sem muita importância, mas que sem dúvida assinalaram um caminho que eu iria percorrer. E pude constatar que as previsões, as indicações do texto eram muito realistas e foram eficazes como uma premonição. Foi interessante. Em outras épocas passei tempos sem registrar quase nada e tive que resumir períodos para não perder a sequência.

Quando relemos nossa própria história de vida curtimos tudo de novo, revivemos as emoções, os bons sentimentos e também as fases ruins, sendo que essas servirão apenas como experiências para um futuro, porque não possuem mais as forças que tiveram sobre nós quando ocorreram.

Algo me diz, também, que devemos registrar tudo, ou o eu pudermos. Uma planilha em outro plano está sendo feita com nossas atitudes boas e negativas. Uma pontuação... Se for assim mesmo nossos cálculos aqui na terra, em nossa breve existência, nos ajudará a corrigir possíveis distorções e acertar os rumos, de modo a tentar chegar um pouco mais perto de uma iluminação. Um bom exercício de raciocínio e reflexão sobre o tema me parece muito salutar.

Quando converso com amigos e familiares sobre o assunto digo sempre: que vontade eu teria de saber mais sobre meus avós, suas atividades, seus trabalhos, seus modos de vida. E com a tecnologia hoje existente os registros de muita coisa são fáceis de serem mantidos. Fotografias, pequenos textos, comentários, enfim, muitas impressões que podem ficar para o conhecimento das futuras gerações, dos netos e bisnetos.

Se eles vão se interessar por isso? Só o tempo vai dizer. O que interessa para mim é deixar essa oportunidade de conhecimento para o futuro. E assim vou montando a minha cápsula do tempo. E digo mais: deixe sempre seus escritos que você deseja tornar de conhecimento futuro em pastas fáceis de serem pesquisadas.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Quer aprender a tocar violão ou guitarra? Hoje em dia está bem fácil!


Ainda em São José
dos Campos - SP
Tempos bons aqueles de minha juventude. Depois de minha infância ligada à música, mas no Acordeon, cheguei à adolescência comecei aprender a tocar violão e com pouco tempo fiquei literalmente fascinado também pela guitarra.

O aprendizado do violão foi trabalhoso. Nem sabia afinar o instrumento, creia. Pedia ajuda ao “Zé da Senhora”, conhecido jogador de futebol do Salgado da Gama (um time de Messejana) e ele afinava para mim. Voltava para casa e não largava mais o novo brinquedo. Aprendi também a tocar as primeiras músicas com dois irmãos, dos quais nem lembro mais o nome, que moravam perto de nossa casa. A Marcha dos Marinheiros (que depois tocava até com o violão nas costas), uma valsas de Dilermando Reis e o aprendizado avançava muito rápido. Futuramente tive aulas com um professor do Conservatório de Música Alberto Nepomuceno, o qual me ensinou técnicas legais, treinamento com escalas, postura, dedilhados e outros macetes interessantes. Não tínhamos gravadores, nem máquinas fotográficas. Aliás, fotografias eram difíceis na época. Quando vemos hoje centenas de pessoas gravando, fotografando ou filmando eventos tenho certeza de que elas não têm a exata dimensão da facilidade que está em suas mãos, pela tecnologia.

EU VIVIA E RESPIRAVA MÚSICA

Na realidade a única maneira de aprender mesmo é “vestir a camisa”, ou seja, não liberar o instrumento musical. Eu deixava o violão na sala, em cima de algum local de fácil acesso. Depois de qualquer atividade passava por ali, pegava o violão e tocava um pouquinho, o que desse. Um exercício, uma nova sequência de acordes, qualquer coisa. E tinha que fazer os calos nos dedos até se acostumar!

GUITARRA E VIOLÃO

Estúdio da Rádio
Assunção, Fortaleza
Quando passei para a guitarra, que também possui seis cordas e tem a mesma afinação, a vontade de desenvolver as técnicas aumentava dia a dia. Treinava praticamente o tempo inteiro que tinha livre. Fazendo uma comparação com o que existe hoje em dia a coisa não era brincadeira. Tínhamos que “ter ouvido”, ou seja, escutar ma música e saber os acordes que faziam o acompanhamento. Não existiam revistinhas de acordes, com letras e cifras, muito menos nem se sonhava com internet. Ou você tinha jeito mesmo e “captava” a música, gravava a melodia e acertava a harmonia (o acompanhamento) ou nada feito. Teria que mudar de brinquedo.

Quer saber como aprender sozinho e de forma rápida? Aprenda primeiro a afinar o instrumento, saber quais são as cordas e as técnicas para isso. Hoje temos afinador eletrônico, mas se você tiver “ouvido”, não será preciso. Decore uma sequência de acordes, aprenda os acordes de tons maiores, menores e os relativos. Um manual de violão ou guitarra que é facilmente encontrado hoje dará uma força especial a seu aprendizado.

AS TÉCNICAS

E treine muito! Aprenda a acompanhar uma música, mude de tonalidade. Saiba executar
Entrevista para
o Jornal O Povo
 todos os acordes e suas variações (são muitos). Saiba que mesmo após tocar por muito tempo a cada minuto, segundo, você poderá aprender mais. Uma coisa muito importante é ter humildade e nunca pensar que já é o tal. Eu, quando estava no auge de minha forma, como guitarrista-solo do Conjunto Big Brasa, de Fortaleza, era reconhecido por muitos como um dos melhores do norte e nordeste... Já pensou? Se não tivesse a cabeça no lugar e muita simplicidade teria acreditado. Não que o pessoal falasse isso para me “dar corda”, como se diz. Mas eu é que tinha plena consciência de que sabia muito pouco!

O FASCÍNIO DAS GUITARRAS

Antes de iniciar a minha carreira de musical como líder e solista do Conjunto Big Brasa, recebi uma ajuda muito boa da parte do Cesar Barreto, meu amigo, que tocava e cantava no Conjunto Os Rataplans. Antes de nossa estreia (e este fato está em meu livro) o Cesar me ensinou a introdução da música O Tijolinho. Achava difícil demais e pensava que nunca iria fazer como ele, com tal desenvoltura, mas depois acostumei.

AS SERENATAS EM MESSEJANA

Foram muitas as serenatas feitas com amigos, na casa de colegas, em Messejana. Usávamos violão, flauta doce e às vezes também uma escaleta. Na época havia paz e muita tranquilidade nas madrugadas. Sem medo de assaltos nossa turma visitava as colegas e fazíamos as belas serenatas.

OS ÍDOLOS

Mais tarde, já como profissional, sempre procurei me espelhar naqueles guitarristas que realmente tocavam muito bem. O Jimi Hendrix e o Santana eram os meus ídolos. Procurei imitá-los o máximo que pude no que diz respeito às técnicas, sons etc. Mas depois, quando ouvia outros músicos, como o Eric Clapton, já tinha um pouco de bagagem para ir incorporando as técnicas e criar o meu próprio estilo.

QUER SABER DE UMA COISA?

Não perca tempo. Se você gosta de tocar, admira música e quer aprender, utilize todas as ferramentas disponíveis na atualidade: revistas com acordes, programas na internet, músicas com cifras (acordes). Os instrumentos estão modernos, bem construídos, os amplificadores, pedaleiras, todas as facilidades que você pode ter. Use tudo que tem direito e seja feliz!

Um último recado: vá com calma e nunca pense que você aprendeu tudo, porque em música os limites são inatingíveis. Tenha sempre em mente isso e boa sorte! 

Veja também nas redes sociais:



quarta-feira, 14 de maio de 2014

Os desejos de consumo vencem, quando não há planejamento definido

Sabemos o quanto é difícil para algumas pessoas controlar seus orçamentos. Além da falta de planejamento por parte dessas pessoas há que se destacar o esforço de propaganda das lojas, que em todos os momentos nos passam incentivos para consumir mais e mais.  

Os preços e as prestações

Nota-se que os homens possuem mais tendências para eletrônicos, artigos esportivos e tecnológicos e que as mulheres desviam sua atenção para o vestuário, bolsas e acessórios diversos. Mas em ambos os casos há um fator comum: muitas vezes não se leva em conta apenas o preço daquilo que é oferecido para a compra. E sim os prazos e facilidades oferecidos. (os comerciantes já sabem disso). Assim facilmente podemos cair na armadilha, quando vemos um celular novo (que não estamos precisando), mas que é vendido em 10 vezes “sem juros”... Como as prestações cabem no orçamento compramos. E pouco a pouco uma bola de neve vai se formando nas faturas dos cartões de crédito, os quais, por sua vez, nos dão a impressão de que não estamos gastando no momento, pela falta da visualização do dinheiro em espécie.

O orçamento familiar e o planejamento

Por outro lado, com um planejamento familiar, as despesas são controladas e cada membro da família pode ter a exata ideia de como estão as finanças. Uma frase que podemos assimilar e usar em cada caso de compulsão por uma determinada compra é acostumar-se a fazer as pergunta:  “você precisa disso mesmo?”, “Eu vou usar isso?”. Na maioria dos casos a resposta será não e você desistirá de fazer aquela compra por ser desnecessária.

O hábito de poupar

Aprendi há tempos que nunca é tarde para começar. Primeiro temos que por em ordem todas as contas. Depois disso, as pequenas quantias, trocos ou dinheiro que você não esperava receber, podem ser guardados em uma caderneta de poupança ou qualquer aplicação que você prefira. Quando você atingir determinado valor poupado saberá a importância daquele gesto e logo ficará acostumado com o hábito de economizar. Mas alguns diriam: economizar para que? E eu respondo: para que você se dê o direito de ter uma reserva para um caso de emergência, uma necessidade real, ou uma compra de algo almejado por toda a família. Isto, além de educativo, fortalecerá os hábitos de poupar e seus filhos aprenderão certamente os benefícios deste comportamento.

Resumindo: você tem que saber quanto efetivamente ganha ou o que sua família recebe (renda familiar). Depois disso deve relacionar suas despesas, duas dívidas, prestações, de forma que fique sabendo exatamente sua situação financeira e possa se programar. Em segundo lugar ter em mente o que você precisa e não se deixar levar por impulsos que o façam sair do controle e consumir sem necessidade.

E por último economizar sempre que puder. Dormir bem, sem os pesadelos de dívidas ou de prestações que não poderão ser pagas e que acarretarão juros e mais despesas, vale a pena!

Veja também nas redes sociais:


terça-feira, 13 de maio de 2014

Falta muito de cidadania e de comunidade. Quais serão os motivos?


Por que algumas pessoas, na maioria das vezes, apenas criticam e querem suas reivindicações atendidas mas não participam do processo?

Comecei a observar há algum tempo a diminuição dos atos que evidenciam a cidadania, por parte de nossa sociedade e também a falta ou quase desaparecimento das comunidades em si; talvez a tecnologia usada de forma excessiva, a certa ilusão que trazem as redes sociais, alguma coisa nesse sentido, mas não tenho ainda uma opinião formada sobre o assunto. Trago apenas alguns dados que talvez possam ajudar na reflexão sobre o assunto. Já escrevi anteriormente sobre o assunto na matéria "Comunidade, uma coisa do passado"? 

Por outro lado também é fácil notar que as pessoas não se preocupam mais com os conteúdos, não conseguem ler quase nada. O ato simplesmente de ver uma figura parece que é suficiente para sua participação, às vezes acompanhada de um “Curtir”, quando estão nas redes sociais.

Outro fenômeno que precisaria ser analisado por pessoas capacitadas é que, em meu entender, não existe um interesse em compartilhar uma ideia, apoiar, contribuir e verbos similares. O que se pode notar facilmente através das redes sociais é que muitos “curtem” as postagens dos amigos sem pelo menos saber de seu conteúdo. E alguns, que ainda conseguem ler essas postagens não expressam comentários, mesmo que contendo críticas, mas no sentido de que aquela ideia lida é boa, mas que poderia ser incrementada com tais coisas ou procedimentos.  

Para exemplificar bem o que é uma pessoa crítica em excesso, descrevo um fato real que aconteceu comigo há alguns anos: ao fazer uma reforma em um sítio que tínhamos na região serrana de Ubajara, colocamos tudo em ordem e no que diz respeito ao telhado, ficou completamente novo. Mais de oito mil telhas, todas alinhadas, uma beleza. E ao passar um nosso vizinho, conhecido na redondeza como crítico de tudo e de todos, parou, observou atentamente toda a cobertura da casa e, após uma “meditação”, com ares de engenheiro ou arquiteto, sei lá, disse, apontando com o dedo: “é, tem uma telha lá no final (mostrando o local) que é das velhas”... Ao que eu lhe respondi imediatamente à altura de sua observação: “sim, aquela é uma das velhas telhas que a pessoa que fez a coberta utilizou na parte debaixo, mas existem mais de oito mil telhas novas”... Ou seja, ele tinha reparado tudo apenas para descobrir uma pequena falha estética, que não prejudicava nada o serviço, mas não fez um comentário que pudesse servir de incentivo a nosso trabalho.

Em Messejana fatos desta natureza são comuns. Talvez isso seja mesmo da natureza do ser humano e ocorra em muitas localidades brasileiras, mas falo especificamente dos fatos que presencio aqui. Pois bem: ao publicar uma matéria intitulada “Messejana está muito distorcida na atualidade e pede socorro”, tratando de alguns aspectos negativos de Messejana, ao final do texto foram publicadas 120 fotografias ilustrativas dos problemas mencionados. Entretanto uma delas não era muito recente, pois apresentava uma velha casa que não existe mais (foi demolida e só resta um terreno baldio no local). Esta foi a única imagem notada, creiam. E no contexto geral em nada influenciava, porque todas as outras estavam perfeitamente atuais...

Por outro lado, como o Portal Messejana desde sua criação em 2005 se prontifica a ser um canal de interação entre a comunidade, oferecendo um Mural de Recados, um espaço Fala Cidadão, dentre outros oferecidos gratuitamente para as escolas em geral e os estudantes etc. “Participem de forma cidadã” foi o recado deixado, indicando o e-mail contato@portalmessejana.com.br para receber as solicitações, sugestões, pedidos de serviços para as autoridades etc.

Outro caso, sem mencionar nomes (por razões óbvias): um dia desses recebemos uma ligação de uma garota que, de forma até deselegante, cobrava uma reportagem sobre o avô dela, na coluna Personalidades do Portal Messejana. Como não conhecia a pessoa a quem ela se referia, orientamos que ela, como neta, nos informasse por e-mail ou pessoalmente, dados, fatos, biografia, fotos etc. para que pudéssemos compor tal matéria. E dissemos que era impossível alguém ou algum órgão produzir uma matéria sem o conhecimento, sem os fatos etc. etc. Ao que ela retrucou: está certo, “pois eu vou procurar e vou mandar”, como que diz: vocês estão pedindo e vão receber... Mas a pessoa no caso nunca mais entrou em contato e nem enviou nada para o Portal Messejana. Ou seja, ela soube COBRAR! Mas na hora de CONTRIBUIR se esquivou e sumiu, definitivamente. Vários casos semelhantes poderiam ser aqui mencionados.

Concluindo, sabemos que existem uma mentalidade POSITIVA e outra NEGATIVA (esta destrutiva, por seu lado). As pessoas em sua vida, no seu crescimento pessoal, podem tomar conhecimento das diferentes atitudes e optar pelo lado do Bem (ou não). Acreditamos piamente que as atitudes boas, positivas, agregam mais e refletem mais ações positivas e benéficas, gerando um crescimento do Bem, de uma forma geral. E que as atitudes negativas geram bloqueios de toda a ordem e dificultam as relações e interações pessoais.   



Veja também nas redes sociais:


sexta-feira, 9 de maio de 2014

Mentalidade de Segurança – Parte III

Ao continuar esta série sobre Segurança e formação de uma Mentalidade de Segurança vamos descrever neste terceiro artigo alguns procedimentos e hábitos de segurança que você deve observar no dia a dia. Estamos certos que você até este ponto leu e entendeu os artigos anteriores, obteve muitos conhecimentos que vão fortalecer sua Mentalidade de Segurança. Fique prevenido, porque os descuidistas e malfeitores estão por toda a parte esperando uma oportunidade para agir.

Precisamos saber que existem particularidades que caracterizam a vida urbana de cada país, região ou cidade, as quais estão correlacionadas à cultura e comportamento, à segurança e criminalidade. Em cada lugar há peculiaridades que devem ser observadas, de modo a evitar choques culturais e, principalmente, riscos desnecessários. No Brasil, ainda somamos o fator do contraste social. As diferenças vão do básico entre as relações humanas e classificam-se em diferenças socioculturais e político-econômicas. O objetivo destes entendimentos é ajudar você a entender melhor sua cidade, adaptando-se à nova realidade e assim, viver com mais segurança e tranquilidade junto a sua família e amigos.

CONHECER O LOCAL ONDE VOCÊ ESTÁ

É importante você saber as peculiaridades de cada local. Assim, se você estiver em uma cidade como Fortaleza, deve conhecer (ou se informar) dos pontos negros ou locais mais perigosos para que possa evitá-los. Da mesma forma quando for viajar para outras cidades do Brasil ou do exterior utilizar o mesmo procedimento. Procure saber na internet ou com amigos, sobre o seu destino. Uma boa dica é indagar no hotel onde você for ficar hospedado sobre o assunto. Certamente o pessoal dará alguma informação útil.

 

AO ANDAR NA RUA
 
  • Evite distrair-se, mantendo-se sempre alerta;
  • Mantenha sempre sua carteira com documentos no bolso da frente;
  • Fique atento para um golpe em que uma pessoa “acha” um objeto (um anel, por exemplo) e tentar lhe devolver. Certamente ela atrairá sua atenção e outro ladrão tentará lhe furtar;
  • Não use o telefone celular, câmeras fotográficas ou aparelhos eletrônicos que despertem a atenção de ladrões, de forma constante. Se possível observe o local onde vai fotografar,
  • Não usar joias ou objetos que despertem atenção;
  • Muitas vezes o pretexto de esmola, explicações de superstições, ambientes de apostas e explicações de crendices constituem-se em ambientes propícios a vigaristas e estelionatários. Evite esses ambientes;
  • Não deixe sua bolsa ou objetos em lugares de freqüência pública;
  • Nos transportes coletivos (ônibus ou metrôs) cuidado com as superlotações, que facilitam a ação dos batedores de carteiras ou outros objetos;
CRIANÇAS E IDOSOS
 
  • Crianças e pessoas da terceira idade não podem andar sozinhas ou acompanhadas de pessoas estranhas;
  • Orientar os filhos a não atender a solicitação de estranhos e não aceitar passeios, convites ou presentes, tais como balas, pipocas, etc.
  • Estar sempre atento ao comportamento do filho nas suas relações de amizade, particularmente nas de Colégio e de passeios;
  • Com filhos na idade escolar, acompanhá-los na entrada e saída do Colégio;
  • Instruir seu filho a evitar contato com vendedores de Colégio;

CONSELHO PARA AS CRIANÇAS

 

·         Orientar a criança para sempre informar a seus pais onde está indo, qual caminho fará, que meio de transporte vai usar e a que horas pretende voltar;

·         Explicar que na rua, seja andando a pé ou de ônibus, a criança sempre procure estar acompanhado de amigos, em grupo ou pelo menos em dupla. Evite lugares mal iluminados e pouco movimentados;

·         Dizer para nunca aceite carona de desconhecidos e recuse acompanhar um estranho, mesmo a pé;

·         E para brincar, que só fiquem em lugares especialmente destinados para recreação, supervisores por adultos;

·         Ensinar para a criança que se ela perceber que está sendo seguida, que procure desviar seu caminho para um local de maior movimento, procurando entrar em alguma loja, mercado, prédio e pedir imediatamente ajuda;

·         Enfatizar para as crianças não aceitarem presentes, seja qual tipo dor, de pessoas estranhas. Se alguém chegar a ele dizendo que o conhece, ou alguém da família, oriente-o a não parar e pedir ajuda, caso a pessoa o persiga;

·         Quando um estranho se aproximar dizendo que alguém de sua família está no hospital, instrua-o a não acompanhar a pessoa. Ensine-o para que ele telefone para alguém da família a fim de confirmar a história;


CUIDADOS NECESSÁRIOS AO VIAJAR
 
  • Evitar evidenciar esse objetivo à vista de pessoas e nem deles fazer ciência, a não ser ao vizinho de maior confiança;
  • Não comente sua viagem perto de pessoas estranhas (Isto inclui as redes sociais!);
  • Não deixe luzes acesas, pois durante o dia significam a ausência de pessoas;
  • Só deixe a chave de sua casa com pessoas de absoluta confiança;
  • Evite colocar cadeados do lado externo do portão. Isso poderá denunciar a saída de moradores;
  • Desligue a campainha, assim você deixa em dúvida quem usá-la apenas para verificar se você está em casa;
  • Feche as portas e janelas com trincos e trancas;
  •  Reforce a porta da frente com fechaduras auxiliares;
  • Portas e janelas corrediças não são muito seguras. Pinos de segurança, ou até um cabo de vassoura, sobre os trilhos resolvem este problema;
  • Se for de carro, verificar o veículo antes de partir, bem como os documentos e equipamentos obrigatórios (pneus, bagagens, e passageiros);
  • Não conduzir à vista, em veículos, objetos valiosos ou pacotes;
  • Faça cópias de todos os seus documentos de identificação, passaporte, números de cartões de crédito, bilhetes de viagem, comprovantes de hotéis etc. Guarde tudo em casa ou com pessoa de sua família e também em malas separadas;
  • Guarde todos seus valores no cofre forte do hotel, inclusive passaporte e passagens de volta;
  • Cuidados as carregar o passaporte e cheques de viagem. Em caso, de extravio, furto ou roubo comunique imediatamente à Polícia local;
  • Evitar pedir ou dar “caronas” a estranhos, bem como manter as portas do carro travadas, os vidros levantados e usar o cinto de segurança;
  • Em viagem, quando no hotel, guardar seus valores nos cofres;
  • Evitar bebida alcoólica ou substância tóxica (medicamentos que causem sonolência) ao dirigir;
  • Evitar andar sozinho ou transitar em lugares ermos, em qualquer situação;
  • Não trocar dinheiro com carregadores, agenciadores ou desconhecidos que o abordarem em aeroportos e estações rodoviárias ou ferroviárias. Procure casas de câmbio ou Bancos autorizados;
  • Em restaurantes abertos não pendure bolsas, máquinas fotográficas ou câmeras de vídeo nas cadeiras e nem as coloque no chão;
  • Durante os traslados, vigie de perto e ininterruptamente sua bagagem. Use etiquetas grandes e/ou coloridas que permitem a fácil identificação de suas malas nas esteiras ou balcões de entrega;
  • Nos aeroportos não descuide de sua bagagem e mantenha todos os seus pertences à vista;
  • Ter sempre cópia dos principais números de telefones em sua bagagem (bancos, familiares etc.) para o caso de emergência;
CARTÕES DE CRÉDITO
 
  • Não guardar o cartão de crédito junto com a senha no mesmo lugar, e não entregá-lo a estranhos;
  • Ao usar caixa eletrônico, evite movimentos que transpareçam a senha digitada;
  • Evitar favor de pessoas estranhas no manuseio de seu cartão magnético;
  • Diante de perda, furto ou roubo de seu cartão magnético ou documentos similares, prestar queixa imediatamente à Delegacia de Polícia mais próxima e comunicar a instituição a ele vinculado no sentido de efetuar o bloqueio do cartão;
  • Ao utilizar o cartão magnético em equipamentos que usem carbono, rasgue-o (o carbono) e guarde consigo a segunda via para evitar clonagem;
  • Não fornecer por telefone dados pessoais ou números de documentos, assim como horários de saída e chegada em casa;
  • Não discar em seu telefone números solicitados;
  • Use a opção de ser informado por telefone de qualquer lançamento em sua conta bancária;
  • Não troque dinheiro com carregadores, agenciadores ou desconhecidos que o abordarem em aeroportos e estações rodoviárias ou ferroviárias. Procure casas de câmbio ou Bancos autorizados;
  • Guarde todos seus valores no cofre forte do hotel, inclusive passaporte e passagens de volta;
  • Evite carregar consigo o passaporte e cheques de viagem. Em caso, de extravio, furto ou roubo comunique imediatamente à Polícia local;
  • Em restaurantes abertos não pendure bolsas, máquinas fotográficas ou câmeras de vídeo nas cadeiras e nem as coloque no chão.
  • Durante os traslados, vigie de perto e ininterruptamente sua bagagem. Use etiquetas grandes e/ou coloridas que permitem a fácil identificação de suas malas nas esteiras ou balcões de entrega.

SEGURANÇA PARA CONDOMÍNIO

 

  • A sua compreensão e colaboração são fundamentais para a segurança do Condomínio;
  • Elogiar as ações dos funcionários que visam garantir a segurança de todos os condôminos, mesmo quando representem algum transtorno para si ou para suas visitas;
  • Ao chegar ou sair da garagem, observar se não há pessoas estranhas ou suspeitas, aguardando ou dando voltas até sentir-se em segurança;
  • Ao estacionar seu veículo na garagem, mantê-lo trancado, sem pacotes e objetos a vista e com o alarme ligado;
  • Alertar a portaria para que receba as encomendas feitas ou o avise para que vá atender ao entregador na recepção;
  • Quando solicitado à portaria, verificar se o assunto lhe diz respeito, só então descer à recepção para atender;
  • Ao contratar empregados (domésticas, babás, motoristas, etc.) somente os receber na portaria, exigir documentação e referências, averiguando a autenticidade e veracidade das informações;
  • As chaves de todas as dependências não devem ser deixadas com os empregados, mantendo algumas dependências isoladas. Assim como, não deixar cópias das chaves na portaria.
CUIDADOS FISCAIS
 
  • Ao comprar mercadorias, observar se os dados da nota fiscal coincidem com o endereço determinado;
  • Guarde todas as notas fiscais para uma eventual fiscalização em aeroportos;
  • Se transportar câmeras fotográficas, tabletes ou notebooks redobre a segurança;
  • Ao emitir cheques, evitar espaços em branco, alterações ou rasuras.
MEDIDAS GERAIS DE SEGURANÇA

  • Em qualquer local em que se encontre não reagir diante de um assalto!
  • E em caso de emergência, chame a Polícia logo que você puder.  

Compartilhe com seus familiares e amigos. Você poderá se safar de algum golpe, salvar uma vida ou proteger um patrimônio seu adquirido com muito gosto.